Casos como o de Ana Hickmann estimulam mulheres a dizer chega, diz Maria da Penha[/gpt3] – Blogdogesso.com

ALY8t1tijyTkGg28YNR1EPCeFVWaVyvjdwAYhmPXnLhqsHdvlhs8j0lGD5KP 8dJ2fMSjCAeqmM3mExAPZqLaPHATMb zhgBcoP 72pvYSCjjA6rWuemWCtwIFXUsYvrNGXSc cFBltmuQp XTQ7rAw1200 h630 p k no nu


Em sua primeira entrevista depois de denunciar ser vítima de violência doméstica, a apresentadora Ana Hickmann contou no último domingo (26) que pediu o divórcio de seu marido, que aponta como autor das agressões, Alexandre Correa, por meio da Lei Maria da Penha.

“Muita gente achou que eu estava quieta porque eu ia voltar atrás. Não. Já dei entrada pela Maria da Penha. A lei tá pra nos proteger. Foi criada por conta de uma mulher que foi vítima disso e tantas outras que também foram vítimas”, disse Hickmann, que recebeu também medida protetiva prevista na lei. “A lei, que é cada vez mais forte, me protegeu.”

Há 40 anos, a farmacêutica cearense Maria da Penha Maia Fernandes, 78, levou um tiro do então marido, que a deixou paraplégica. À Justiça, ele alegou que o casal foi vítima de um assalto e, 19 anos depois, o caso foi parar na Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA (Organização dos Estados Americanos), que condenou o Brasil.

image 152 edited

A tentativa de homicídio foi o ponto final de uma longa trajetória de violência doméstica. “Se, naquela época, existisse o tipo de proteção que a lei hoje proporciona, teria sido mais fácil eu sair daquela situação”, diz ela em entrevista à Folha durante o encerramento do 1º Fórum Brasileiro de Enfrentamento à Violência Doméstica, promovido pelo instituto que leva seu nome.

Para ela, mulheres de classes sociais mais altas, vítimas de violência, costumam evitar a denúncia de seus agressores por vergonha, por medo de perderem confortos e privilégios ou para manter a imagem da família.

“Exemplos de mulheres como Ana Hickmann estimulam pessoas mais bem vistas na sociedade, que têm uma estrutura familiar boa e estável, a dizer chega e denunciar”, afirma. “E só então a realidade que ela estava vivendo aparece.”

[/gpt3]

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.