AGU cobra R$ 15 milhões de jornalista sobralense por bomba em Brasília[/gpt3] – Blogdogesso.com

ALY8t1tw82PFcjI w6PNoicDLDJUzsHiAFkUrzJhCLXvrW9JF807B9U0pd1s9IYCSMKfcVd4ZaJBirqSfjwsWle4lEO75NW7JkeLAU7 wa17Z0Xixlm4ANKnH 9LbAVYfbelv2R1EjzhzUDnbpvc7MC8Nas RfjybdyveEUfKU2OK4U pSm8hpNKQUuY B y4ECZ DaIF9Aoy3RFTaKtFHTWvSGXeqewInU1Pwa yCwXzbqA8tWHsb8Ow1200 h630 p k no nu


CAPA Materia Jornalista Wellington Macedo acaba de ser preso por determinacao de Moraes

A Advocacia-Geral da União (AGU) entrou nesta quinta-feira, 23, com uma ação civil pública na Justiça Federal do Distrito Federal para cobrar indenização dos extremistas que tentaram explodir um caminhão-tanque nos arredores do aeroporto de Brasília, na véspera do Natal de 2022. A AGU pede que eles sejam condenados a pagar R$ 15 milhões por dano moral coletivo.

Wellington Macedo de Souza, George Washington de Oliveira Souza e Alan Diego dos Santos Rodrigues foram condenados e estão presos no Complexo da Papuda.

A AGU usa provas colhidas na investigação criminal que levou à condenação penal. O processo é uma iniciativa da Procuradoria Nacional da União de Defesa da Democracia, órgão criado no governo Lula para monitorar notícias falsas e investidas antidemocráticas.

“Os graves fatos ocorridos no dia 24/12/2022 merecem exemplar punição pelo ordenamento jurídico, para que eventos semelhantes nunca mais voltem a acontecer”, afirma advogado da União Carlos Eduardo Dantas de Oliveira Lima, que colaborou com a ação.

Um dos argumentos para pedir a condenação é que os extremistas colocaram em risco a vida de terceiros em uma data de grande de circulação de pessoas nos aeroportos. A AGU afirma ainda que o objetivo do plano de atentado era causar comoção para justificar a decretação de estado de sítio e uma intervenção das Forças Armadas e impedir a posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

George Washington e Alan Diego foram apontados como responsáveis pela montagem da bomba e Wellington Macedo foi denunciado pela instalação do explosivo em um caminhão de combustível, carregado de querosene de aviação. A perícia apontou que o artefato não explodiu por um erro de montagem.

Eles se conheceram no acampamento montado por bolsonaristas em frente ao Quartel-General do Exército, em Brasília, onde o atentado teria sido planejado. O motorista do caminhão percebeu a bomba e chamou a Polícia Militar, que detonou o explosivo.

Agência Estado

[/gpt3]

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.